Profecias do fim do mundo: Um mito que nunca se concretizou


As profecias abundantes sobre o fim do mundo têm todas algo em comum: nunca nenhuma se confirmou!


O facto de o calendário longo dos maias terminar um ciclo a 21 de dezembro do próximo ano reacendeu os ânimos dos que crêem que a vida humana se vai finar na terra com data marcado.

Há também quem se mostre tão descrente no futuro da humanidade que se “agarre” a choques de meteoritos, de outros planetas ou de buracos negros contra a Terra para argumentar a favor da teoria “temos os dias contados”.

Quando os cientistas são chamados a dar o seu contributo esclarecedor nada de assustador prevêem para além da imagem que os catastrofistas apregoam, muitos com fins comerciais de vender filmes, livros e produtos associados, outros apostados em dominar crentes e seguidores.

Sobre a data de 21 de dezembro do próximo ano, “não há nada em qualquer profecia maia, asteca ou da antiga Mesoamérica que sugira que eles profetizaram qualquer tipo de grande ou súbita mudança em 2012", diz o estudioso dos maias Mark Van Stone, citado na Wikipédia.

O sociólogo Moisés Espírito Santo, especialista em religiões, citado pelo Correio da Manhã em Junho passado, recordava que as preocupações espirituais sobre o fim do Mundo vêm de longe: "O próprio Jesus Cristo disse aos seus seguidores que alguns deles iriam assistir ao Juízo Final".

"Todas as religiões contêm nos seus escritos referências a um dia do Juízo Final, e há sempre quem tente encontrar datas para estes eventos. Mas são quase sempre movimentos à margem que apontam datas concretas", esclarecia.

E apesar do acesso fácil ao conhecimento que prospera na atualidade com o incremento das novas tecnologias, o cientista social considera as crenças continuarão a subsistir.

"É uma utopia pensarmos que a Ciência poderá levar as pessoas a abandonar as suas crenças. Haverá sempre quem acredite nas teses mais obscurantistas ", afirmava Moisés Espírito Santo ao jornal, concretizando: "A tecnologia e redes como a internet servem muitas vezes para as pessoas descobrirem justificações adicionais para aquilo em que acreditam".

Uma das mais famosas e recentes profecias que não se concretizou, como as anteriores, foi a de que o mundo iria acabar em 21 de maio passado e o seu autor um reincidente na matéria: o pastor protestante Harold Camping, um engenheiro civil de 90 anos famoso pelos programas de rádio e televisão que apresenta.

Tão ciente estava da sua crença que vendeu tudo e chegou a convencer seguidores a fazer o mesmo. Quando acordou nesse dia e verificou que o mundo estava basicamente como na véspera, pediu desculpa e disse que tinha feito mal as contas. Que afinal seria no mesmo dia do mês mas cinco meses depois: 21 de outubro de 2011…

Lusa